17 junho 2008



Há tantas coisas que eu gostaria de te dizer. Coisas que vão muito além do que a história de uma lagarta que um dia se transformou numa bela borboleta. Aquela que fez se encantar seus olhos, ao exibir asas cheias de lantejoulas com movimentos quase reais.
Domingo passado, quando olhei teus olhinhos fechados e suas mãos postas meu coração se enterneceu ao ouvir as doces palavras da oração que seus lábios me ditavam. Meu coração se encantou diante de sua grandeza.
Quando corre por entre as árvores, entoa as canções, ri alegremente e fala de um tal Mestre que mora dentro de teu coração, o meu se enche de esperança. Essa tal esperança que andava distante de minhas palavras.
E eu me sinto tão pequena diante de tanta coisa que eu gostaria de te falar. Por mais que eu saiba que minhas palavras não matam sua fome, não te cobrem do frio, não te livram do preconceito e nem asfaltam sua rua. Mas, eu insisto. Porque meu coração necessita.
Ah, seu eu pudesse fechar teus olhos puros, guardar-te em minha redoma para que o mundo não te devore, para que o sofrimento não te alcance. E que para sempre você fosse criança....

4 comentários:

Vinícius Aguiar disse...

Nossa, que intenso isso... parece a descrição de um único e mágico segundo... ufa... adorei!

mari disse...

fiquei muito feliz de ver que vc voltou à ativa no mundo blogueiro!!!!
ah, e tbm já coloquei seu link no meu. bjosss

Denys Gabriel disse...

Nossa,muito bom.Essa sua sensibilidade feminina é muito...
Tu escreve bem demais,quando crescer quero ser igual a vc...

Sérgio Pontes disse...

Excelente mesmo.

Boa Pascoa